Ora toma lá uma orgia de sítios por onde clicar….

17 03 2009

Sei que tinhas saudades destes meus posts meio sado-maso repletos de obscenidades e agressões verbais. Sei que quando lês estes posts te recordas da tua infância e das sovas constantes que levavas no teu amor próprio, geralmente dadas por um cromo que, neste momento, é um ser humano ridículo que não serve de exemplo para ninguém. Eu não quero dar-te esperanças, mas pelo simples facto de estares a ler este post acredito que conseguiste fazer algo da tua vida ou que ainda vais a tempo de fazer. Ao contrário dos Peixotos, Farinhas ou Matrolas desta vida, tu até te saíste bem e serás capaz de fazer melhor ainda. Eu não acredito muito em ti, mas deves ter alguém que acha que poderás ir longe. Eu talvez até concorde. Quero que vás longe, para bem longe. Contudo, enquanto isso não acontece, toma lá com que te entreteres. Não tem a tangibilidade da tua boneca insuflável, nem o cheiro desses óleos com que empestas o teu teclado, mas pelo menos mantém-te longe de problemas.

FWA

Anúncios




Não percebo…

4 02 2009

Existem várias coisas que não percebo, não me entram na cabeça e não fazem sentido nenhum. Não estou a falar do facto de termos um nº crescente de desempregados e o governo decidir dar cobertura às aventuras financeiras dos bancos com o dinheiro dos outros. Nem estou, tão pouco, a falar do manancial de processos e situações mal explicadas que parecem fustigar a classe política onde, penso eu de que, a palavra classe é utilizada num sentido muito lato. Segundo nos tem sido dado a entender, classe é algo que não abunda por aqui. A minha confusão, a minha falta de compreensão está, por hoje, direccionada para os ginásios (por esta não esperavas!) e nas paragens cerebrais que alguns dos seus utentes devem ter de quando em vez.

Estamos no inverno, chuvoso por sinal e frio quanto baste. Mesmo no ginásio que frequento existe um fresquinho que primeiro choca, mas que depois, no final de uns 30 minutos até sabe bem com alternativa ao ar condicionado que tem vontade própria e pensa que estamos no meio de África, na savana, ao meio-dia, sem sombra à vista. Esta realidade até nos poderia levar a pensar: “OK. Está fresquinho q.b. Não há necessidade de andar por aí semi-nu.” Errado. Há pessoal que depois de 5 minutos a caminhar num tapete já está a tirar roupa, já está a bufar como se fossem a Vanessa Fernandes no final da prova de ciclismo do Triatlo, já pensam que está na hora prendar os restantes ginasiastas com a visão de algo que antes já pode ter sido um corpo Danone, mas que agora merece a intervenção da Greenpeace com o objectivo de o devolverem ao mar.

O boneco da Michelin pode se parecer comigo em algumas coisas, mas eu tento manter essa semelhança por debaixo de uma t-shirt larga e uma sweat. O meu pneu é para assustar o espelho lá de casa, não para partilhar com o mundo. Um casal de jovens, que não concordam comigo, frequenta o mesmo ginásio que eu e são o melhor exemplo do que quero dizer. Estava eu a fazer uns minutos numa bicicleta que não me leva a lado nenhum quando eles entraram. 5 minutos a correr num tapete e já estavam semi-nús e com o corpo todo a ondular. 15 minutos depois acabaram o treino com o corpo ainda ondular. 30 minutos depois, depois de um banho rápido, saíram das instalações ainda a ondular. 3 metros depois foram abordados por funcionários de uma empresa de energias renováveis. A empresa desafiou-os a colocarem uma minicentral no seu corpo e a converterem essa ondulação em energia que daria para iluminar a principal avenida da cidade. Insinuaram que o acto de fazer o amor entre os 2 poderia ser a solução energética para pequenas aldeias do interior transmontano. O que é isto vos diz? Estão a ver o que alguns olhos sofrem por esses ginásios fora? 

Não sou exemplo para ninguém, mas fica a sugestão. Quanto menor for a porção dos teus pés consegues ver quando olhas para baixo, maior deverá ser o tamanho da roupa de treino que utilizas no ginásio. A sanidade mental da população em geral agradece.





Playboy Portugal…não sei não…

29 01 2009

Já se lê pela net que a Playboy está a pensar em criar uma edição portuguesa. Eis o primeiro sinal de que Viagra em excesso já está a afectar as capacidade cognitivas do Hugh Heffner. Por muito que se possa pensar que sim, isto é uma óptima ideia, eu penso que não tem grandes pernas para andar. Façamos um estudo de mercado, assim como quem não se importe muito com os detalhes como amostras, instrumentos de recolha de dados e afins que são, em muitas ocasiões, manipuladas de acordo com as vontades de alguns. Quem é que disse que Portugal precisava de Frize figo, de uma pizza de Alheira como a da Telepizza ou, pecado dos pecados, de uma Sumol com travo de chocolate? Não me acredito que um estudo de mercado tenha dito: “Sim. Isso é um óptima ideia. Já agora vamos ponderar a hipótese de lançar um preservativo com sabor a bacalhau e lançá-la numa campanha de Natal!”. Voltando ao core do assunto deste post, a versão Portuguesa da Playboy. Se a considerarmos uma revista masculina então talvez tente entrar no mesmo circuito da Maxmen, FHM e GQ. Fica aqui o registo de que não concordo muito com este conceito pois conheço mulheres que as lêem e não podemos esquecer que existem, com certeza, mulheres cuja apreciação não se limita à procura de retoques de Photoshop.

Voltando às revistas listadas, quiçá a Playboy até tentará persuadir as mesmas pessoas, que já foram capas destas revistas, a dar o corpo ao manifesto e desnudarem-se. Aqui é que a coisa se complica. Uma coisa é fazer uma sessão em lingerie, uns seios com as mãos por cima e uns fundos de costas sensuais e outra coisa é o nu integral. Sim, porque o nu da Playboy, embora artístico, não deixa de ser integral. Logo aí temos um problema que os nossos irmãos brasileiros não têm tido. Pessoas conhecidas que aceitem aparecer em todos os kioskes “but-naked” não devem ser assim tantas no nosso Portugal. Assim sendo teríamos de fazer como algumas edições que aproveitam o arquivo da Playboy e reeditam sessões realizadas com modelos de outros países, nomeadamente os EUA. Isso teria piada ao início, mas depressa ditaria o fim da publicação. O grande sucesso da Playboy brasileira, para além dos artigos que, surpresa das surpresas, são uma parte fundamental da revista, assenta no facto de, no seu longo historial, terem tido como suas centerfolds inúmeras figuras públicas dos media brasileiros. Para ser muito sincero não estou a ver isto a acontecer por cá. Somos um povo de brandos costumes e isto de aparecer com as marufas (como diria o meu amigo Gonçalves) e a tcharaxa para todo o povo ver não me parece que terá grande adesão. Mas isto, tal como as decisões do Sr. Lino, podem mudar de uma dia para outro…





A passagem de ano tem muito disto…

7 01 2009

Aqui fica a perspectiva de Jim Breur sobre o que deve ter acontecido no teu estômago na passagem de ano.





Mais um ano…

6 01 2009

Aí está mais um ano. Mais uma oportunidade para mostrar que, afinal, consegues fazer algo de diferente, louco, inovador, criativo, útil com a tua vida. Não te apoquentes. Junta-te ao grupo. Todos começamos o ano a desejar que este será o ano em que tudo irá mudar. Em que iremos fazer o que sempre quisemos fazer. O ano em que o mundo, de repente, e sem saber muito bem porquê, vai-se prostrar aos nosso pés e vai perguntar-nos o que queremos que toda a humanidade faça para que nos sintamos felizes e realizados. Para uns bastará um 5 nºs e 2 estrelas no euromilhões, para outros aquela oportunidade para trabalhar em televisão e, em casos mais extremos, alguns apenas querem que aquele herpes genital desapareça durante algum tempo e que a sua roupa interior deixe de ser decorada com manchas de pus e farfalhas de postulas que mais parecem flocos de neve numa manhã frescamente idílica de Janeiro. Viste como consegui acabar com um toque de eloquência um comentário que, neste momento, te deve estar a gerar imagens que te vão cicatrizar a mente por uns bons dias e que, aposto, te deixarão a olhar todas as manhãs para a tua roupa interior na esperança de estar tudo bem. Não te preocupes. Não há nada que um pouco de azeite extra-virgem, sumo de uma anona, 4 velas, um cruzamento e uma zaragatoa não resolvam. E de repente, instala-se a confusão, e o pessoal do portal Sapo questiona-se sobre a razão de um pico de pesquisas sobre anonas e zaragatoas.

Voltemos ao que interessa. O ano novo. A vida nova. Pois. Eu sugiro que comeces por metas mais acessíveis. Afinal de contas és português e o PM já nos avisou que já deixámos de ter protecção divina e que, surpresa das surpresas, o país não está naquele estado idílico que ele publicitava de forma tão convincente. Como vês, quando se começa a deixar de tomar Prozac em dozes cavalares todos voltamos a ver o mundo como ele realmente é. Peço a ajuda a quem consiga diagnosticar esta forma de autismo político que reina no governo e, já agora, não se esqueçam do problema de dislexia do Mário Lino. O ano de 2009 será o ano da igualdade de oportunidades. Todos terão oportunidade de começar a dizer a verdade, de realmente ajudar o país e , isto já sou eu a forçar, de começar a ter uma espinha dorsal. 

Um grande ano de 2009 para todos…





E não pára…

18 12 2008

Eu não resisto. Isto está a tornar-se um hábito, mas não consigo resistir. A ciência e os académicos que me perdoem…





Qual IURD, qual quê, o CPC é a salvação…

18 12 2008

Se não conheces, passas a conhecer. Carne pra Canhão é a salvação de que precisas.

Vê e sente-te iluminado.

http://videos.sapo.pt/carnepcanhao